Encontro 01- O Cristo na visão de Allan Kardec e Paulo de Tarso

Episode 1 August 28, 2022 01:26:10
Encontro 01- O Cristo na visão de Allan Kardec e Paulo de Tarso
Grupo Marcos - A Figura do Cristo
Encontro 01- O Cristo na visão de Allan Kardec e Paulo de Tarso

Aug 28 2022 | 01:26:10

/

Show Notes

Baixe aqui o pdf completo dessa aula

Introdução de O Livro dos Espíritos

A moral dos espíritos superiores se resume, como a do Cristo, nesta máxima evangélica: Agir para com os outros, como quereríamos que os outros agissem para conosco; isto é, fazer o bem e não fazer absolutamente o mal. O homem encontra neste princípio a regra universal de conduta para suas pequenas ações.


- Kardec, Allan. Livro dos Espíritos (p. 33). CELD. Edição do Kindle.

 

Conclusão de O Livro dos Espíritos
Mensagem de Paulo, o apóstolo

Quem é, com efeito, o culpado? Aquele que, por um desvio, por um falso movimento da alma, afasta-se do objetivo da criação, que consiste no culto harmonioso do belo, do bem, idealizados pelo arquétipo humano, pelo Homem-Deus, por Jesus Cristo.

 

- Paulo, o Apóstolo. Livro dos Espíritos. CELD. Edição do Kindle.

View Full Transcript

Episode Transcript

Conclusão de O Livro dos Espíritos Mensagem de Paulo, o apóstolo “Gravitar na direção da unidade divina, este é o objetivo da Humanidade; para atingi-lo, três coisas são necessárias: a justiça, o amor e a Ciência; três coisas lhe são opostas e contrárias: a ignorância, o ódio e a injustiça. Pois bem! Em verdade vos digo, que contradizeis estes princípios fundamentais, comprometendo a ideia de Deus, pelo exagero de sua severidade; vós a comprometeis duplamente, deixando penetrar, no espírito da criatura, a ideia de que nela há mais clemência, mais mansuetude, mais amor e verdadeira justiça do que atribuís ao ser Infinito; destruís até a ideia do inferno, tornando-o ridículo e inadmissível às vossas crenças, como o é aos vossos corações o horrendo espetáculo dos carrascos, das fogueiras e das torturas da Idade Média! Pois, então! Quando a era das cegas represálias encontra-se banida para sempre das legislações humanas, é que esperais mantê-la no ideal? Oh! Crede-me, crede-me, irmãos em Deus e em Jesus Cristo, crede-me: resignai-vos a deixar perecer em vossas mãos todos os vossos dogmas, antes que ganhem outros contornos ou, então, revivificai-os, abrindo-os aos benéficos eflúvios que os bons, neste momento, derramam sobre eles. A ideia do inferno, com suas fornalhas ardentes, com suas caldeiras ferventes, pôde ser tolerada, isto é, perdoável, num século de ferro; mas, no século dezenove, não passa de um vão fantasma, próprio, quando muito, para amedrontar criancinhas e em que estas não creem mais, quando se tornam adultas. Persistindo nessa mitologia apavorante, engendrais a incredulidade, mãe de toda a desorganização social; tremo, portanto, vendo toda uma ordem social abalada e ruindo pela sua base, por falta de sanção penal. Homens de fé ardente e viva, vanguarda do dia da luz, mãos à obra, portanto! Não para manter fábulas envelhecidas e, daqui em diante, desacreditadas, mas para reavivar, revitalizar a verdadeira sanção penal, sob formas condizentes com os vossos costumes, vossos sentimentos e as luzes da vossa época. Quem é, com efeito, o culpado? Aquele que, por um desvio, por um falso movimento da alma, afasta-se do objetivo da criação, que consiste no culto harmonioso do belo, do bem, idealizados pelo arquétipo humano, pelo Homem-Deus, por Jesus Cristo. O que é o castigo? A consequência natural, derivada desse falso movimento; uma soma de dores necessária a fazê-lo ter aversão à sua deformidade, pela experimentação do sofrimento. O castigo é o aguilhão que estimula a alma, pela amargura, a dobrar-se sobre si mesma e a retornar ao porto de salvação. O objetivo do castigo não é outro senão a reabilitação, a libertação. Querer que o castigo seja eterno, por uma falta que não é eterna, é negar-lhe toda a razão de ser. Oh! Em verdade vos digo, cessai, cessai de colocar em paralelo, na sua eternidade, o Bem, essência do Criador, com o mal, essência da criatura; isto seria criar uma penalidade injustificável. Afirmai, ao contrário, o abrandamento gradual dos castigos e das penas, através das transmigrações, e consagrareis a unidade divina, pela união da razão ao sentimento.” Paulo, apóstolo Kardec, Allan. Livro dos Espíritos (pp. 351-352). CELD. Edição do Kindle.

Other Episodes

Episode 12

November 13, 2022 01:46:26
Episode Cover

Encontro 12 - O Espiritismo é a terceira revelação

Baixe aqui o pdf completo dessa aula   1. As Três Revelações: Moisés, Cristo e o EspiritismoA lei do Antigo Testamento está personificada em Moisés;...

Listen

Episode 4

September 18, 2022 01:37:26
Episode Cover

Encontro 4 - Kardec religioso - Um católico que queria integrar as religiões.

Baixe aqui o pdf completo dessa aula  Revista EspíritaJornal de Estudos PsicológicosANO XII MAIO DE 1869 No 5AOS ASSINANTES DA REVISTABiografia do Sr. Allan...

Listen

Episode

November 14, 2022 00:06:24
Episode Cover

Encontro 12 - Diálogo mediúnico

Baixe aqui o pdf completo dessa aula

Listen